notícias

Tese do óleo venezuelano no Nordeste é pura especulação

Tese do óleo venezuelano no Nordeste é pura especulação

09

outubro

O óleo para vir da Venezuela teria de andar na “contramão” da corrente do mar, diz o jornalista Fernando Brito, editor do Tijolaço. "Pode ter vindo de um navio petroleiro venezuelano? Pode, mas também pode ser de qualquer outro, de qualquer nacionalidade , circulando pelo Oceano Atlântico, entre a América e a África", afirma Por Fernando Brito, editor do Tijolaço – Claro que a origem do óleo que está dando às praias nordestinas precisa de uma investigação. Mas tem jornal, como o Estadão, que está engolindo uma “geografia com partido” para dizer que o óleo, por sua densidade , seria venezuelano. Muita calma nessa hora. Este blogueiro aqui, além de prestar atenção nas suas aulas de ginásio e curso técnico, também é filho de um professor de geografia “fissurado” por mapas. Então, tomou a primeira providência de olhar o mapa das correntes marítimas do Nordeste brasileiro, para recordar que ali passa a Corrente Equatorial, que “lambe” a costa nordestina e se encaminha para o Caribe, onde ajuda a formar a Corrente do Golfo. Portanto, o óleo para vir da Venezuela teria de andar na “contramão” da corrente do mar. Poderia? Improvável, mas admissível se houvessem condições de vento que o empurrassem. Acontece que os ventos dominantes na região, alísios, também seguem no mesmo sentido da corrente. É tão idiota dizer que vem da Venezuela quanto dizer que vem do Golfo do México, porque mar e vento levariam o óleo em sentido oposto. Pode ter vindo de um navio petroleiro venezuelano? Pode, ainda mais porque a maioria deles é operado por companhias europeias ou em conjunto com a Petrochina e parte deles está sendo devolvida por conta das sanções norte-americanas. Mas também pode ser de qualquer outro, de qualquer nacionalidade , circulando pelo Oceano Atlântico, entre a América e a África. Poluição marinha e costeira não pode ser instrumento de exploração político-ideológica. O óleo da Chevron que vazou na Bacia de Campos não foi uma conspiração ianque, foi fruto da imprudência e desídia da Chevron ao economizar etapas na perfuração de um poço. Quem se deixa embarcar em vazamento “ideológico” é quem já tem a mente inapelavelmente poluída.