notícias

Movimentos sociais defenderão Bolívia, assinala Evo Morales

Movimentos sociais defenderão Bolívia, assinala Evo Morales

14

setembro

Prensa Latina - Os movimentos sociais defenderão a nova Bolívia dos partidos políticos da 'direita pró capitalista', afirmou nesta quinta-feira (13) hoje o presidente Evo Morales, em um ato em Cochabamba. Morales disse que as principais forças sociais do país estão unidas na Coordenadora Nacional pela Mudança (Conalcam) e o partido dirigente Movimento Ao Socialismo (MAS) para enfrentar nas eleições de 2019 'os partidos que servem ao império'. Indicou que as organizações sociais e o MAS mudaram a história boliviana nos últimos 12 anos com programas e propostas de governo e promoveram o desenvolvimento político, econômico e social do país. O mandatário acrescentou que agora o povo decide o futuro da Bolívia. No 21 de fevereiro de 2016 realizou-se na Bolívia um referendo para decidir sobre a reforma parcial da Constituição que contemplava uma quarta candidatura de Evo Morales à Presidência. A opção do Não se impôs com 51,31 por cento dos votos, segundo o relatório do Tribunal Supremo Eleitoral. No entanto, em novembro do ano passado o Tribunal Constitucional Plurinacional da Bolívia declarou procedente o recurso de inconstitucionalidade apresentado pelo MAS, permitindo que o presidente se candidate. A medida legal habilitou a candidatura de Evo para as eleições gerais do final de 2019 e as eleições de meados de 2020, para presidente, vice-presidente, 154 legisladores, nove governadores, 339 prefeitos e três mil e 500 vereadores.